Vinho, uma cultura, um desejo que me vem na alma desde muito cedo, por tradição de familia.
Muito tarde, aos 20 anos é que apanhei o gosto pelo vinho.

Desde que me reformei, esse gosto de há 28 anos, ganhou outros contornos, não me contento pelo bebe, exijo muito mais a mim, o apreciar, o estudar deste mundo.

Tenho descoberto coisas muito interessantes, cada linha que leio, quero ainda mais conhecer todos os contornos deste mundo de prazer no vinho.

Ao ler a história do Barca Velha, de Ana Sofia Fonseca, fiquei fascinado de tal maneira, que parecia estar a viajar naquela época, uma sessão infinita de prazer.

Passei depois a outro patamar, conhecer as origens do vinho no mundo, quando é que tudo começou, pesquisei e encontrei Larousse wine, de COBBOLD, DAVID, ai viajamos pelo História do Vinho desde a época antes de Cristo.


Tenho vindo a fazer provas de vinhos já com décadas de existência, que se tem revelado maravilhosos, mas para quem aprecia vinhos velhos, por exemplo a minha mulher, não é fã…sorte a minha.

O ritual que envolve o preparo, para se servir um vinho já de alguma idade, envolve técnica e paixão, mas o resultado é largamente superior, o decantar por vezes, tem que ser realizado várias vezes, já tive vinhos que chegaram a ser decantados 2 vezes.